O mito do termo "informação documentada"

Uma das polêmicas sobre a atualização das normas ISO em 2015 é quanto ao termo informação documentada.

De um lado, a visão de que é necessário mudar a terminologia empregada na organização, substituindo títulos como “documento interno” ou “registro“. De outro lado, profissionais que gostariam de usar seus próprios termos, ou que não desejam fazer a mudança simplesmente pelo trabalho que ela causa versus seu possível benefício.

A norma é passível de interpretação em alguns casos, mas não neste. O texto a seguir é parte integral da norma ABNT NBR ISO 9001:2015 (p. 23, anexo A):

 

“Não há requisito para os termos usados por uma organização serem substituídos pelos termos usados nesta Norma para especificar requisitos de sistema de gestão da qualidade. Organizações podem escolher usar termos apropriados para suas operações (por exemplo, usar “registros”, “documentação” ou “protocolos” em vez de “informação documentada”; ou “fornecedor”, “parceiro” ou “vendedor”, em vez de “provedor externo”). 

 

Então, o que devo fazer?

Em relação a termos, sua empresa está livre para decidir. A norma inclusive incentiva que você escolha os termos que achar mais adequados para sua empresa.

Alguns consultores e até auditores podem sugerir que você mude para os mesmos termos da ISO, mas vocês precisam levantar o custo disso, de revisar todos os documentos, explicar para a equipe, etc. e se toda essa mudança vai trazer algum resultado prático para sua empresa.

Você já decidiu quais termos vai usar em sua empresa? Deixe nos comentários abaixo e participe da conversa.

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.