PFMEA x DFMEA: entenda a diferença entre eles

Problemas na cadeia produtiva podem tirar o sono de qualquer empreendedor. Uma pequena diferença na estrutura de produção pode tirar de circulação todo um lote de produtos, ocasionando enorme prejuízo para as empresas. Prever, antecipar e estar preparado para tratar possíveis problemas, é uma estratégia que ajuda a garantir a qualidade das mercadorias e a evitar prejuízos. Nesse sentido, dois conceitos são importantes: Design Failure Mode and Effects Analysis (DFMEA) e Process Failure Mode and Effects Analysis (PFMEA).

Esses dois modelos de análise são baseados no Failure Mode and Effects Analysis (FMEA), ou seja, uma metodologia que propõe o estudo e a análise dos problemas em potencial. Dessa forma, esse método determina que as dificuldades que podem ser encontradas foram previstas, a fim de elaborar medidas preventivas a serem colocadas em prática. Para isso, é preciso levar em consideração todo o processo de produção.

Neste artigo, vamos abordar um pouco mais sobre as metodologias originadas do FMEA: o DFMEA e o PFMEA. Acompanhe as próximas linhas e saiba um pouco mais sobre esses métodos, e como eles podem ajudar na rotina da sua empresa.

O que é DFMEA?

Esse sistema é voltado exclusivamente para o design de produto. A sua aplicação começa já na fase de desenvolvimento de um novo produto, e consiste em um processo de engenharia que permite explorar e testar um projeto, a fim de saber se ele pode ou não dar certo em um determinado mercado. Para isso, os técnicos desenvolvem um documento que reúne as principais funções do projeto, as suas falhas em potencial e elabora os processos de correção.

A aplicação do DFMEA depende da criação de uma matriz que permite compilar e documentar as informações sobre um projeto ou sobre um produto em desenvolvimento. Essas informações consistem em dados básicos, datas de revisão e a atuação dos membros da equipe. Todo o processo é documentado e registra as mudanças e alterações pelas quais o produto passou.

O que é PFMEA?

Esse método é usado para analisar e superar as possíveis falhas de um processo específico de uma empresa ou unidade de negócio. Com PFMEA, é possível identificar uma determinada falha, acionar uma equipe e proceder com as metodologias de correção desses erros. Aqui, podem ser analisadas as aplicações de algum processo estrutural, de produção ou de transmissão de informações.

O PFMEA permite que todos os riscos de falhas sejam identificados, avaliados e classificados de acordo com a sua potencialidade de ocorrência, as formas que podem ser detectados e as ações que devem ser tomadas em cada caso. O PFMEA deve ser iniciado a cada novo processo e mantido durante todo o ciclo de vida desse processo.

Ferramentas estratégicas

A boa gestão de uma organização depende de uma análise constante sobre o negócio, o que implica também o controle das falhas e as ações para minimizá-las e superá-las. Assim, o FMEA e os seus “subprodutos” DFMEA e PFMEA são de grande potencial estratégico para uma organização oferecendo um know-how sobre a sua cadeia de produção e elaboração de produtos.

Com isso, uma organização pode criar um banco de dados em que estão registradas as falhas enfrentadas e as que podem acontecer, e quais os métodos de trabalho que devem ser aplicados em cada um dos casos.

Como tem tratado a análise de falhas em sua empresa? Já aplicou DFMEA ou PFMEA? Compartilhe com a gente nos comentários.

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

Um comentário sobre “PFMEA x DFMEA: entenda a diferença entre eles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *