PFMEA: conheça e saiba como utilizá-lo

PFMEA é uma sigla em inglês para a expressão Process of Failure Mode and Effects Analysis — que pode ser traduzida para o português como “Análise de Modo e Efeitos de Falha”.

É um método para uma identificação mais rápida da relação de causa-efeito entre uma falha e suas possíveis consequências. Ele busca sistematizar problemas tanto nos produtos, quanto nos próprios processos produtivos de uma forma mais simples e rotineira.

Saiba, então, o que é e como utilizar o PFMEA.

O que é o PFMEA?

É uma metodologia analítica, utilizada para garantir que problemas potenciais tenham sido percebidos durante toda a etapa de desenvolvimento do produto. O PFMEA busca auxiliar nos seguintes momentos:

  • Descoberta de falhas em potencial, suas possíveis causas e os riscos em um produto ou processo produtivo;
  • Elaboração de processos de contenção de risco de falhas;
  • Estabelecimento de uma rotina de follow-ups e avaliações de resultados das ações tomadas nas etapas anteriores.

Como funciona um PFMEA?

O funcionamento de PFMEA é muito simples! Primeiramente, você precisará de uma equipe, que pode variar de 2 a 5 funcionários, a depender do tamanho da sua linha de produção.

Eles irão, então, estabelecer critérios de análise baseados na realidade da sua empresa e construir uma tabela para ser preenchida durante todo o processo de checagem. O PFMEA trabalha com três indicadores numéricos:

  • A severidade, que indica quanto o problema compromete a funcionalidade, a integridade do produto e as pessoas ao redor;
  • A ocorrência, que estabelece a frequência em que a falha tende a ocorrer;
  • A detecção, que mostra quão fácil e rapidamente um problema é percebido.

Como criar um quadro de PFMEA?

Para avaliar a severidade (S), crie quatro colunas:

  • Requisitos, que analisa os critérios para a avaliação de qualidade;
  • Modo de falha potencial, as falhas encontradas no produto;
  • Efeitos potenciais da falha, as consequências práticas da falha;
  • Indicador numérico: no qual o 1 representa ausência de erro e o 10, a perda total do produto.

Já a ocorrência (O) precisa de três colunas:

  • Causas potenciais da falha, que apontam a origem do problema;
  • Controle-prevenção, as soluções para o item anterior;
  • Indicador numérico: no qual 1 representa um evento extremamente raro e o 10, muito frequente.

A detecção (D), por fim, requer somente duas colunas:

  • Controle de detecção, que define estratégias para identificar a falha durante o processo;
  • Indicador numérico: em que o 1 representa uma fácil detecção e o 10, uma detecção muito difícil.

Calcule, então, o RPN

Então, é o momento de calcular o RPN (Número de Prioridade de Risco), a próxima coluna da tabela, que indica a urgência de propor uma solução para aquele problema. Quanto mais elevado o valor, maior será a necessidade de otimizar o processo e melhorar o produto.

Ele é calculado da seguinte forma, em que S significa a quantificação da severidade, O a probabilidade de ocorrência e D as chances de detecção:

RPN = S x O x D

RPNs acima de 90 indicam que, para aquela falha, será necessária uma ou mais ações de melhoria, para as quais você deve estabelecer um prazo razoável de solução, que deverá ser incluído na tabela juntamente com o responsável por ela e a ação que será tomada.

Seguindo a rotina de um PFMEA, sua empresa certamente reduzirá rapidamente as falhas nos processos produtivos. Desse modo, quando vocês passarem por uma auditoria do cliente ou de uma certificadora como o ISO, não haverá com o que se preocupar.

Quer ficar em dia com dicas para aumentar a sua produtividade e encantar os seus clientes? Assine nossa newsletter!

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

7 comentários sobre “PFMEA: conheça e saiba como utilizá-lo

  1. Na realidade a ferramenta pode ser usada na etapa de projeto (design), neste caso DFMEA e de produção (process) é PFMEA, é uma ferramenta que exige uma equipe multidisciplinar com muito conhecimento e experiência sobre o assunto a ser abordado, além disto é uma ferramenta mandatória da QS – APQP.
    Ela pode ser usada como APR nos procedimentos das NR’s porém deve ter uma base de dados considerável para torna-la QUANTITATIVA e deve ser realizada em equipe.

  2. Olá, parabéns pelo artigo! Muito interessante! Gostaria de saber se essa ferramenta é usada em empresas fora do ramo automotivo. Trabalhei numa fábrica de peças e lá vi bastante, porém, hoje estou numa distribuidora de medicamentos e gostaria de implementar uma ferramenta de análise de riscos mas, numa pesquisa rápida, ainda não encontrei/decidi sobre a ferramenta ideal. Sabem de alguma pra me indicar?

  3. Olá,
    No PFMEA tenho duvidas sobre o que deve ser considerado como potencial modo de falha. Isto é, numa dada operaçao devo considerar o que pode falhar por exemplo ao nivel de um parametro de maquina ou o que pode falhar no produto que é processado?
    Exemplo: um dado equipamento deve operar a uma dada temperatura e caso opere a uma temperatura mais elevada vai causar uma diferenca de cor no produto. Entao devo considerar como modo potencial de falha processamento a uma temperatura + alta ou Produto com cor NOK ?

    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.