Gestão de risco: Novidade na nova ISO 9001

A ISO 9001 sempre defendeu mitigar e evitar riscos. A nova ISO 9001:2015, lançada em setembro desse ano, explicitamente espera que as organizações identifiquem e contemplem riscos que afetam a conformidade de produtos e de serviços, em foco na maior satisfação do cliente.

Além de identificar os riscos, o novo padrão ISO espera que as organizações abordem as oportunidades de melhoria com base na análise de risco, mesmo não exigindo que você crie um sistema formal de gestão de risco.

Como tornar o risco parte do processo?

Prevenir e corrigir ações indesejadas, assim como resultados, tem sido uma parte da ISO 9001, mas ela era limitada a elementos específicos do processo de gestão da qualidade. A ISO 9001:2015 muda isso.

A ISO já abordou a noção de uma gestão de risco mais global para as empresas, na sua norma ISO 31000, que fornece uma abordagem de gerenciamento em nível organizacional. A ISO 31000 trata de conceitos fundamentais de gestão de riscos como:

  • Evitar atividades associadas a um determinado risco;
  • Maneiras aceitáveis para remover uma fonte de risco inteiramente.

Outro exemplo de mudança na ISO em gestão de risco é a ISO 9004, que aborda muitos aspectos da gestão de risco, tais como incluir as necessidades e as expectativas das partes interessadas e o impacto de risco sobre a estratégia e a inovação.

ISO 9001: 2015, revolucionária ou evolutiva?

A revisão da ISO 9001:2015 expande sua visão, que antes era limitada em:

  • Tentar encontrar a “causa raiz” de um problema;
  • Corrigir; e
  • Impedir que aconteça novamente

Em vez disso, ela eleva a ideia de gestão de risco em maior prioridade. Ela examina os riscos sistêmicos que podem ser preocupações em uma base mais ampla que a organização pode servir.

Isso pode incluir não apenas os clientes, mas também funcionários, fornecedores, comunidades em que a empresa atua, sindicatos, entidades reguladoras, entre outros. Além disso, a norma pede à organização para equilibrar a probabilidade diante do impacto desses potenciais eventos, reduzindo também a base de possíveis erros.

Como a ISO 9001:2015 te ajudará a gerir seu risco?

Curiosamente, a ISO 9001:2015 nem sequer tem uma cláusula específica dedicada à ação preventiva, mas engloba essa atividade num conceito mais amplo de atividades com base no risco.

Isto é como a revisão se destina a levar a gestão de risco para um nível acima, assumindo que um sistema é concebido como um todo, para evitar resultados indesejáveis.

Por meio de muitas de suas cláusulas, a ISO 9001:2015 exige uma organização para identificar os riscos e as formas de resolvê-los de modo que o SGQ possa alcançar seus objetivos.

Como a gestão de risco na ISO 9001:2015 pode mudar a gestão da qualidade?

De certa forma, a gestão da qualidade tem sempre garantido um grupo de regras que se reúne de forma consistente e aceitável, mas esta nova ênfase no impacto de risco pode colocar representantes na posição de gerenciar riscos de negócios.

E, onde há outros planejamentos (como no caso de grandes organizações), o papel pode também incluir reconciliação ou integrar esses outros sistemas de gestão em torno dos riscos identificados por meio da nova ISO 9001:2015.

Em qualquer nível dos representantes da qualidade, o aumento na ênfase sobre gestão de risco em um nível mais elevado, poderá exigir uma perspectiva mais ampla e o aumento do conhecimento organizacional, assim como um conjunto de habilidades expandidas.

Isso pode ser uma oposição aos outros que veem um papel de encolhimento da gestão da qualidade, quando outros departamentos e funções diminuem sua importância, tais como engenharia, recursos humanos ou gestão financeira.

Esperamos que tenham gostado do post e que o tema tenha fica mais claro para você. Agora, que tal deixar seus comentários nos contando como tem sido esse processo de transição para você?

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

7 comentários sobre “Gestão de risco: Novidade na nova ISO 9001

  1. Parabéns pelo artigo, no entanto, a exemplo da ISO 9001:08 tenta encontrar a “causa raiz” de um problema, corrige e impede sua reincidência. Isto está previsto na ISO 9001:15 ? .

    • Olá Newton, as ações corretivas estão sim previstas na ISO 9001:2015, porém ela está mais flexível agora, permitindo que uma não conformidade volte a ocorrer, por exemplo, diante da impossibilidade de identificar a causa-raiz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.