O exemplo da VALE para quem pensa na ISO 9001:2015

Nota: após o evento da Samarco em Mariana, decidimos manter a matéria e acrescentar um parecer nos comentários. Clique aqui para ler nosso parecer.


Artigo de José Ricardo Rigoni, do blog Total Qualidade

Olá pessoal!

Com a nova ISO 9001:2015 publicada em Setembro, estamos por aqui aumentando nossa coleção de exemplos de aplicação. Uma dica fundamental que tenho pra vocês é que as grandes empresas, as top players do mercado, têm muita coisa pra nos ensinar. Empresas como Apple, Walmart, Dell, Samsung, Petrobrás, Embraer, Coca-Cola e Vale, por exemplo, têm um corpo técnico, conhecimento acumulado e histórico de inovação incríveis. Muitos dos novos métodos de gestão propostos na ISO 9001:2015 são vistos diariamente nessas companhias.

Veja que exemplo interessante identifiquei esses dias no G1 e resolvi trazer para apresentar aqui no Total Qualidade. O preço do minério de ferro tem caído no mercado internacional. Isso é uma questão externa (requisito 4.1) muito relevante para a Vale. Tudo bem que poderá não ser uma questão externa relevante pra mim, pra você, ou para muitas organizações , mas para a Vale a oscilação do preço dessa commodity no mercado internacional é um fator externo fundamental.

Nos últimos anos, o preço do minério de ferro, um dos principais itens de receita da Vale teve uma queda muito brusca no mercado internacional. Com isso a Vale enfrentou dificuldades e teve uma redução pesada em suas margens e lucros. Para reagir a essa questão externa, veja o que a Vale está fazendo:

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2015/09/vale-promete-reduzir-custo-de-producao-do-minerio.html   acessado em 23/09/2015.

A mineradora Vale informou que cortará seu custo de produção do minério de ferro para menos de US$ 13 a tonelada até 2018 ante cerca de US$ 16 atualmente, conforme a maior produtora global da commodity tenta maximizar margens de lucro em uma era de preços baixos.
A abundância na produção e a queda da demanda chinesa por aço pressionaram os preços do minério para menos de US$ 60 a tonelada ante uma máxima de quase US$ 200 em 2011. O preço deve recuar para US$ 50 durante os próximos dois anos, mostrou uma pesquisa da Reuters.

“A Vale está progredindo para atingir o menor custo caixa de produção da indústria e será competitiva em qualquer cenário de preços”, disse Claudio Alves, diretor global de marketing e vendas da Vale, durante uma conferência na cidade chinesa de Qingdao.
Fonte: G1

Se você prestar muita atenção apenas nesses três parágrafos da matéria, você verá que a Vale está:

4.1 (Analisando seu contexto externo)
6.1 (Abordando Riscos e Oportunidades)
4.4 (Desenvolvendo processos mais eficientes e eficazes)

É melhoria contínua pra valer de modo que a empresa tenha os processos do seu sistema de gestão operando, conforme palavras do próprio diretor da empresa, em qualquer cenário de preços do minério de ferro.

Empresas líderes de mercado como Vale, Microsoft, Apple, Samsung, Petrobrás, AMBEV estão repletas de exemplos interessantes. Fique de olho nelas, elas sempre têm muito a nos ensinar.

José Ricardo Rigoni é Engenheiro de Produção pela Universidade Federal Fluminense, auditor líder ISO 9001, consultor pelo Ambiente ISO e autor do blog Total Qualidade.
Email: jose.rigoni@yahoo.com.br

 

 

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

2 comentários sobre “O exemplo da VALE para quem pensa na ISO 9001:2015

    • Bom dia, Marcio. Que bom que você trouxe essa questão. Conhecemos a Samarco sim. Sabemos que ela causou o derramamento em Mariana, o sexto caso de rompimento de estrutura desde 2005. Ela também foi uma das responsáveis pelo caso do pó preto no Espírito Santo.

      Essa repetição de erros tão graves mostra o baixo nível de cuidado da empresa e o alto nível de aproximação dela com o governo, propiciando a impunidade e injustiça. Estamos preparando um novo artigo sobre gestão de riscos, citando este evento em Minas Gerais.

      Além disso, para nossa palavra ter valor, não podemos nos perder na raiva. A Samarco não é do Grupo Vale exatamente, mas subsidiária da joint-venture entre ela e uma empresa australiana. Isso não tira a responsabilidade da Vale, é apenas a forma correta de citação. Também não avaliamos a qualidade da Vale, mas o teor da matéria do G1, conforme mostramos no artigo e isso é extremamente enriquecedor. Veja que, se a Vale tivesse mesmo feito o que disse, teria evitado catástrofes como essa. Que isso sirva como exemplo para nós e comecemos a olhar para nossas promessas e transformá-las em atitudes.

      Que a gente não precise falar o que faz, mas seja visto fazendo.

      Parabéns por sua indignação e vontade de mudança!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *