espinha-de-peixe

Diagrama de Ishikawa

Também chamado de Espinha de Peixe, ou diagrama de causa e efeito, foi proposto por Kaoru Ishikawa na década de 60, uma das ferramentas da qualidade mais utilizada pelas empresas do mundo todo.
Criado originalmente para identificar as causas dos problemas no processo de produção de um produto (indústria). A sua utilização pode ser aplicada em qualquer tipo de problema organizacional.

Uma das ferramentas mais utilizada pelas empresas do mundo todo!

O diagrama de espinha de peixe identifica várias causas possíveis para um efeito ou problema. Ishikawa propôs uma divisão baseada em 6 M´s, ou seja, as causas dos problemas poderiam ser provenientes de:

  1. Mão de obra: Toda causa que envolve uma atitude do colaborador (ex: procedimento inadequado, pressa, imprudência, ato inseguro, etc.)
  2. Material: Toda causa que envolve o material que estava sendo utilizado no  trabalho.
  3. Meio ambiente: Toda causa que envolve o meio ambiente em si (poluição, calor, poeira, etc.) e o ambiente de trabalho (layout, falta de espaço, dimensionamento inadequado dos equipamentos, etc.)
  4. Método: Toda causa envolvendo o método que estava sendo executado o trabalho.
  5. Máquina: Toda causa envolvendo á máquina que estava sendo operada.
  6. Medida: Toda causa que envolve uma medida tomada anteriormente para modificar processo, etc.

Com base nesses itens você começa um brainstorming para identificar potenciais causas de um problema.

Etapas para construção do diagrama

1. Identifique o problema (efeito)
2. Descreva o efeito, na cabeça do peixe e suas causas no formato espinha de peixe, utilizando os 6M’s;
3. Identifique as influências do problema (causas).  Primeiro as influências que considera como sendo as principais, em seguida as secundárias, depois as terciárias.
4. Incentive a participação da equipe com perguntas como “O quê?”, “Por quê?”, “E o que mais?”
5. Faça a análise do diagrama, destacando quais as causas que influenciam mais o problema analisado. Discuta isso entre os participantes para chegarem às causas que realmente são bastante influenciadoras e requerem atenção.
6. Comece a resolução das causas, uma por uma. Se possível, nomeie pessoas responsáveis por cada uma das causas. Nomeie também um supervisor geral de toda a ação para terem certeza de que tudo irá correr exatamente como planejado.
7. Analise os resultados obtidos. Reúna a equipe e mostre como o problema foi resolvido, com a ajuda de todos e principalmente com a identificação, aceitação e visualização do problema e suas causas.
Para maior eficiência do diagrama as causas devem ser identificadas com toda a equipe reunida, dando opiniões e sugerindo causas. Assim, o diagrama fica muito mais verdadeiro e confiável.

Mãos à obra e bom trabalho!

4 comentários sobre “Diagrama de Ishikawa

    • Oi, Ligia. Há alguns artigos acadêmicos que abordam análises de eficácia, como este da PUC: http://www4.pucsp.br/icim/portugues/downloads/papers/TL_035.pdf.

      De modo geral, normalmente a análise de eficácia se refere a implementação de ações de correção de não conformidades ou melhoria. Nesses casos, antes de determinar as ações, deve-se determinar o objetivo esperado com elas. Dessa forma, depois de implementar as ações, estabeleça um período de análise. Depois desse período, verifique se as não conformidades deixaram de ocorrer, ou se a melhoria teve o efeito esperado.

      Este resultado deve aparecer em algum gráfico indicador, ou algum relatório. Caso contrário, entreviste alguns colaboradores para saber se perceberam a eficácia e registre em um documento.

      Espero ter ajudado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.