Empresa voluntária: um bem comum

Esta semana, recebi de um amigo a recomendação para doar palavras. Exatamente isso, entrei no site que ele me indicou e fiquei encantada com a iniciativa simples, porém grandiosa.
Doepalavras é um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna. Você envia uma mensagem e ela é exibida nas TVs dos hospitais durante sessões de quimioterapia, radioterapia, etc. Simples assim!
Uma palavra de apoio que recebemos de um amigo ou de um parente nos dá força para enfrentar as dificuldades. Uma palavra nos motiva para ir em busca de nossos sonhos. Uma palavra nos conforta nos momentos de dor. Damos um passo à frente, tomamos uma decisão, não desistimos, recomeçamos, muitas vezes por causa de uma palavra.
Se uma atitude tão simples mobiliza tanta energia para o bem, para motivar e transformar a vida de outras pessoas imagine o que nós, empresas e funcionários atuando em conjunto em projetos sociais podemos fazer?
Nos últimos anos, o voluntariado ganhou terreno nas empresas, conquistou o cidadão comum e está recebendo novos adeptos a cada dia. Esse tipo de trabalho:

Favorece a convivência entre pessoas diferentes;

Permite o contato com novas formas de ser e de viver;

Compartilha valores;

Alarga o conhecimento;

Promove uma grande satisfação de se sentir útil e reconhecido.

Quem se dedica a uma causa social desenvolve competências, adquire capacitação, amplia a rede de conhecimentos. As corporações, por sua vez, ganham transparência, reconhecimento, funcionários orgulhosos e motivados.
Além disso, o voluntariado corporativo atua diretamente no conceito que o funcionário faz da própria empresa – o que, no fundo, segundo muitas organizações, é a melhor publicidade que uma empresa poderia querer. O nível de satisfação dos 2.600 funcionários brasileiros da American Express oscilava em torno dos 60% até a instituição do programa Global Volunteer, que incentiva e prestigia projetos sociais. De acordo com Sheila Cohen Salles, executiva de vendas da empresa, o nível de satisfação subiu para 90%.

é a melhor publicidade que uma empresa iria querer

É considerada uma empresa socialmente responsável aquela que possui a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes – acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente e, a partir desse conjunto de informações, concretiza suas ações e projetos sociais.
Para a implantação de um Programa de Voluntariado Empresarial é preciso que a empresa primeiro reflita sobre a sua cultura interna, seu clima organizacional, missão e responsabilidade social. E antes de iniciar uma longa caminhada, quem sabe possa dar um primeiro passo: promover um dia especial para crianças, destinar funcionários para serem contadores de histórias, doadores de sangue, criar grupos de humanização hospitalar, pessoal envolvido na recuperação de matas ciliares, instrutores de práticas esportivas, equipes de reformas em escolas, etc.
Muito além dos propósitos de caridade, amor aos outros e solidariedade, fortalecer a cultura e a prática do voluntariado significa promover valores de cidadania, participação social transformadora e sociabilidade.
Então mãos à obra! O que sua empresa pode fazer?
_____________________
Leia mais: Como as empresas podem implementar um Programa de Voluntariado:
http://www.ethos.org.br/_Uniethos/Documents/MnVoluntariado.pdf
Programa Parceiros Voluntários
http://www.parceirosvoluntarios.org.br/Componentes/Imprensa/Noticias.asp?txNot=162&iRnd=0,747%D8

Teste grátis a ferramenta para gestão da qualidade Qualyteam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *